Tireoide e emagrecimento

 

Com forma bem parecida com a de uma borboleta, a glândula tireoide é localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão. Reguladora da função de importantes órgãos como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, ela produz os hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina).

Quando a tireoide não funciona de maneira correta, pode liberar hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo,  ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo. Nessas duas situações, o volume da glândula pode aumentar, o que é conhecido como bócio.

Com uma pequena alteração, quase mínima na tireoide, as pessoas enfrentam dificuldades em perder peso, podendo ocasionar depressão, compulsão, desânimo.

 

De posse da importância desta informação, muitas vezes passando despercebida, traduzi o texto abaixo sobre o assunto.

 

Texto traduzido de post publicado pelo cardiologista Dr. William Davis.

 

Dr. William Davis:
Como o acelerador de seu automóvel, a tireoide controla a velocidade de seu metabolismo. É a sintonia fina de todos os tecidos, desde as células mais simples de uma unha até as células nervosas do cérebro que guiam a memória.

Os hormônios tireoidianos devem estar sempre ajustados. Quando muito elevados, você fica ansioso e perde peso mesmo comendo feito leão. Quando muito baixos, independente da dieta que se faça, ou da quantidade de calorias cortada, não permite que haja perda de peso, mas sim o ganho. Se corrigidos estes hormônios, os esforços são recompensados com a perda de peso natural e alimentação correta.
A disfunção tireoidiana que afeta a perda de peso, infelizmente é muito comum.

Será então que a sua tireóide não está sendo entendida como deveria?
Os problemas que afetam a tireoide não são frequentemente diagnosticados, e acabam sendo desvalorizados, não compreendidos pelos médicos.

Vinte por cento das pessoas que iniciam o tratamento de abstenção de grãos, têm deficiência de iodo, o mineral necessário para produção de hormônios tireoidianos. Se a deficiência de iodo for a causa de problemas da tireoide como dificuldade em perder peso, mãos e pés frios, queda de cabelo, falta de energia, então a suplementação de iodo é a correção.
A exceção para esta suplementação, são as pessoas que têm histórico de doença autoimune da tireoide, mas para muitos o iodo é a solução.

A tireoide se localiza na parte frontal da garganta no formato de uma gravata borboleta. De todas as glândulas endócrinas, a tireoide é sem dúvida a mais susceptível a danos autoimunes. Quanto o sistema imune não consegue detectar proteínas no cólon, tireoide, pâncreas, ou cérebro, de organismos externos invadindo o corpo, são recrutados linfócitos T e B em uma armada no combate aos seus próprios órgãos. A isto chamamos de autoimunidade. O mais comum desencadeador de doenças autoimunes da tireoide (Hashimoto e Bócio difuso) é a gliadina do trigo e outras proteínas dos grãos.

Vivemos em uma era onde compostos químicos industriais proliferaram-se de tal maneira que todas as pessoas estão expostas, de forma a sofrerem com um ou outro sintoma do sistema endócrino. Alterações podem ser percebidas a nível cerebral (hipotálamo e glândula pituitária que controlam a tireoide), na própria glândula tireoide ou a nível tecidual, como células adiposas, fígado e músculo, que dependem dos hormônios tireoidianos.
As falhas na tireoide podem ser originadas dos resíduos do teflon usado nas panelas para cozinhar alimentos, em casa ou nos restaurantes.

Pode ser causada pelo triclosan nos sabonetes, ou por polibromados difenil éteres das roupas, pisos, contaminantes das águas, plásticos, revestimentos dos carros, comidas enlatadas até as águas engarrafadas. Na água da chuva e ar que respiramos.

Ninguém vivo atualmente pode permanecer incólume à exposição desses químicos.

Infelizmente não existe um programa de detóx para redução de pecloratos ou éteres de difenil da tireoide ou ainda dos ácidos resíduais do teflon depositados nas adrenais.
A tireoide geralmente não se recupera destas agressões e a prescrição de hormônios tireoidianos continua sendo necessária, mesmo após a inflamação autoimune tenha cedido.

Muitos médicos desconhecem tais questões, não levando em conta que as regras antigas para diagnosticar problemas de tireoide não mais se aplicam a danos causados por produtos químicos. Tireoides que foram afetadas a nível hipotalâmico ou pituitário não devem ser diagnosticadas pelo método usual, uma vez que o TSH permanece normal mesmo na presença de hipotireoidismo.
Nos diagnósticos de hipotireoidismo hoje são meramente prescritas doses de hormônio T4 enquanto o T3 é negligenciado de prescrição, a real forma ativa do hormônio tireoidiano.
Disso resulta um paciente tomando T4 na forma de levotiroxina, tendo sido informado pelo seu médico que a tireoide está ajustada. Porém continuando a sofrer com os sintomas de hipotireoidismo, como ganho de peso, mãos e pés frios, queda de cabelo, depressão, retenção de líquidos, problemas intestinais, alergias de pele, riscos cardiovasculares devido à função hormonal do T3 ou conversão do T4 em T3 bloqueada.

A solução normalmente bastaria uma reposição combinada de T3 e T4 ou apenas adicionar o T3. Tomar a medicação correta controla a disfunção por completo e a perda de peso se inicia.

Portanto procure um médico que tenha estas informações em mãos, e não aceite diagnósticos padrões, que não disponham de uma investigação mais apurada do comprometimento da sua tireoide.

Quem sabe o sucesso do emagrecimento não esteja em cuidar direito desta glândula tão poderosa …

Fontes: Wheat Belly Blog, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Deixe uma resposta